Skip to main content
Meio ambiente & clima

Pioneira na política climática

A Alemanha se destaca internacionalmente na proteção do clima e é pioneira na ampliação das energias alternativas.
Weltkugel in Händen
© Getty Images

O século 21 é considerado “Século do Meio Ambiente”. Isso significa que a intensidade das mudanças nas condições naturais de vida de gerações futuras na Terra será decidida nas próximas décadas. O maior perigo está na aceleração das mudanças climáticas. Os extremos climáticos, como secas e ondas de calor, tempestades e enchentes estão se tornando mais frequentes no mundo inteiro. No verão de 2021, houve também um desastre de enchentes no oeste da Alemanha: cidades inteiras foram inundadas e numerosas pessoas morreram. Em setembro de 2021, o Serviço Meteorológico Alemão indicou, por ocasião de um congresso sobre extremas condições meteorológicas, que nove dos dez anos mais quentes na Alemanha desde 1881, ocorreram no período posterior ao ano 2000. Um acúmulo tão extraordinário de recordes anuais de temperatura só é concebível devido ao aquecimento global causado pelo homem, explicou o Serviço Meteorológico.

Há muito tempo, a proteção do meio ambiente e do clima tem um grande significado na Alemanha. O movimento mundial “Fridays for Future”, apoiado sobretudo por jovens ativistas do clima, fortaleceu ainda mais a consciência de proteção das bases naturais da vida.

Geração de eletricidade na Alemanha em 2020 (percentual da produção bruta de eletricidade)

Fonte: Destatis

Renúncia à energia atômica e do carvão

Com a virada energética, como se denomina o processo de transformação do setor, a Alemanha abandona a era das energias fóssil e nuclear, e já avançou muito no caminho para um futuro energético sustentável. Disso faz parte o abandono da energia nuclear até o final de 2022, que vem sendo implementado de forma sucessiva. Como poucos outros países, a Alemanha comprometeu-se, além disso, a abandonar, ao lado da energia nuclear, também a energia de carvão mineral. Ela é tida como uma das maiores causadoras de emissões de dióxido de carbono, prejudicial ao clima. A lei previa inicialmente uma eliminação gradual até 2038. O governo federal Governo federal O chanceler federal e os ministros compõem o governo federal ou gabinete. O chanceler baseia-se na prerrogativa de estabelecer as diretrizes da política do governo. Paralelamente, os ministros dirigem, no âmbito dessas diretrizes, a respectiva área de trabalho de maneira autônoma e sob… Mais informações › do SPD, Verdes e FDP, que tomou posse em dezembro de 2021, tem como objetivo uma eliminação progressiva já em 2030.

O governo do chanceler Olaf Scholz (SPD) também quer avançar maciçamente na expansão das energias renováveis na década de 2020: até 2030, 80 % da demanda de eletricidade deverá vir de fontes renováveis de energia, como as energias eólica e solar.

Metas claras na Lei Alemã de Proteção Climática

Já em novembro de 2016, a Alemanha foi um dos primeiros países a estabelecer princípios e metas de política climática em seu “Plano de Proteção Climática 2050”, para alcançar a neutralidade dos gases de efeito estufa até 2050. Com o pacote de proteção do clima adotado em 2019/2020, o governo alemão tornou a proteção climática obrigatória para todos os setores. A lei estabelece metas de economia e limites de emissão, por exemplo, para o transporte, a indústria, os edifícios e a agricultura.

Em consequência de uma decisão do Tribunal Constitucional Federal, o então governo federal Governo federal O chanceler federal e os ministros compõem o governo federal ou gabinete. O chanceler baseia-se na prerrogativa de estabelecer as diretrizes da política do governo. Paralelamente, os ministros dirigem, no âmbito dessas diretrizes, a respectiva área de trabalho de maneira autônoma e sob… Mais informações › da CDU/CSU e SPD, sob a chanceler Angela Merkel, decidiu, em maio de 2021, fixar novamente as metas. A neutralidade dos gases de efeito estufa deve ser alcançada até 2045. No caminho para atingir este objetivo, a Alemanha quer reduzir suas emissões de gases de efeito estufa Emissões de gases de efeito estufa Cerca de dois terços dos gases de efeito estufa resultantes da atividade humana (antropogênicos) provêm da emissão de dióxido de carbono. Este gás é gerado pela queima dos combustíveis fósseis, gás natural, petróleo e carvão. Todos eles contêm carbono, que se une ao oxigênio do ar para formar o… Mais informações › em pelo menos 65 % até 2030, em comparação com 1990. Até 2040, a meta é uma redução de pelo menos 88 %. Uma redução de 40,8 % já foi alcançada até 2020.

Também no âmbito global, o governo federal engaja-se em prol da proteção do meio ambiente, da cooperação em questões energéticas e de estratégias de desenvolvimento favoráveis ao clima. A Alemanha empenha-se, conforme o Acordo de Proteção do Clima de Paris de 2015, em limitar o aquecimento da Terra claramente a menos de dois graus centígrados, se possível a 1,5 grau centígrado. No mais tardar na segunda metade do século deverá ser lograda mundialmente uma ampla neutralidade dos gases de efeito estufa. Para isso é necessária a redução de 80 a 95 % da emissão de dióxido de carbono nos países industrializados. A completa descarbonização deve ser alcançada no decorrer do século. O Secretariado das Nações Unidas Nações Unidas As Nações Unidas (ONU) são o alicerce e a pedra fundamental do sistema internacional. Para adaptá-la às novas realidades políticas, a Alemanha defende uma reforma da ONU. Desde 1996, a Alemanha, o quarto maior contribuinte para o orçamento da ONU, é um dos países-sede da organização. No campus da… Mais informações › que fiscaliza a implementação da Convenção Quadro do Clima tem sua sede em Bonn.

A Alemanha apoia a Comissão da UE no seu “European Green Deal”. Ele prevê que a UE se torne inócua para o clima até 2050. Uma lei europeia de proteção do clima deverá tornar as metas compulsórias. Para alcançá-las, as emissões de dióxido de carbono deverão ser reduzidas substancialmente em todos os setores econômicos relevantes.

Emissões de dióxido de carbono na Alemanha

(em milhões de toneladas) Fonte: IEA

Proteção ambiental como meta estatal

Um meio ambiente intacto – ar puro, águas limpas, diversidade da natureza – é fundamental para um alto padrão de qualidade de vida. A proteção do meio ambiente está fixada na Lei Fundamental como meta do Estado desde 1994. No caso da qualidade do ar e das águas, os indicadores comprovam há anos uma melhora significativa. A emissão de substâncias nocivas, como dióxido de enxofre e óxidos de nitrogênio, diminuiu consideravelmente. Os motivos disso são, entre outras coisas, os elevados limites para os gases de descarga dos veículos. Além disso, algumas cidades proibiram a circulação de velhos veículos a diesel – em toda a área urbana ou em algumas ruas. Apesar disso, ainda não é suficiente a redução dos poluentes. Também baixou sensivelmente o consumo “per capita” de água potável – de 140 litros por dia, no auge, para cerca de 120 litros por dia.

A Alemanha também apoia as iniciativas da UE para conter a perda da diversidade de espécies. Na sua Estratégia de Biodiversidade até 2030, a UE fixou entre outros novos padrões para indústria, comércio e agricultura. Eles deverão conter a redução da biodiversidade e oferecer uma base para os acordos internacionais.

A Alemanha sustenta uma posição que conjuga a proteção do clima e do meio ambiente ao desenvolvimento sustentado da economia. Para tanto, faz-se necessário, ao lado da ampliação das energias renováveis, também o aumento da eficiência energética e de recursos, bem como  o aproveitamento inteligente das matérias-primas sustentáveis. Esta estratégia traz duplos dividendos: redução do impacto sobre o meio ambiente e o clima, assim como a criação de novos ramos de negócio e postos de trabalho.