Skip to main content
Sociedade

Estruturar a imigração

A Alemanha se transformou em um país predileto da imigração. 21,2 milhões de pessoas de origem migratória vivem no país.
Zuwanderung gestalten
© dpa

A Alemanha galgou o topo mundial como destino de imigrantes. A Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) constatou em 2019 que a Alemanha continua sendo mundialmente, depois dos EUA, o país predileto de imigração Imigração A Alemanha já era, no século XIX, um país-alvo para um grande número de migrantes e tornou-se, desde a segunda metade do século XX, o país da Europa com o maior número de imigrantes. Em 1950, a porcentagem de estrangeiros no total da população da República Federal da Alemanha era de um por cento,… Mais informações › . Em nenhum dos 35 países da OCDE, a imigração aumentou tão fortemente nos últimos anos, como na Alemanha. Em 2015, o número dos imigrantes foi tão grande como nunca, com dois milhões de pessoas.

Muitas delas vieram em busca de proteção: sobretudo guerras e conflitos, como por exemplo na Síria e no Iraque, fizeram com que muita gente deixasse sua pátria, a fim de buscar proteção em outro lugar. Em 2015, a Alemanha registrou ainda cerca de 890.000 requerentes de asilo político. Desde então, o número está baixando novamente.

Aumentou o número de naturalizações

O governo federal Governo federal O chanceler federal e os ministros compõem o governo federal ou gabinete. O chanceler baseia-se na prerrogativa de estabelecer as diretrizes da política do governo. Paralelamente, os ministros dirigem, no âmbito dessas diretrizes, a respectiva área de trabalho de maneira autônoma e sob… Mais informações › empenha-se pela redução das causas da fuga e da migração irregular, bem como pela estruturação e organização ativa dos processos migratórios. Disso fazem parte o retorno de pessoas sem perspectiva de permanência na Alemanha e o apoio da sua reintegração nos países de origem.

Em 2019, viviam na Alemanha cerca de 11,2 milhões de pessoas com passaporte estrangeiro. 21,2 milhões de pessoas tinham raízes de migração. Delas fazem parte imigrantes, estrangeiras e estrangeiros nascidos na Alemanha e pessoas com um dos pais imigrante ou estrangeiro. Esse grupo corresponde a cerca de um quarto da população total do país.

Cerca de 10,9 milhões de pessoas com raízes de migração possuíam um passaporte alemão. Delas, 5,5 milhões possuíam a nacionalidade alemã desde seu nascimento. Outra grande parte imigrou para a Alemanha como retornados. O restante das pessoas com histórico de migração foram naturalizadas. Somente em 2019, foram naturalizados cerca de 128.900 estrangeiras e estrangeiros. O enorme aumento em relação ao ano anterior, em cerca de 15%, explica-se sobretudo através da saída da Grã-Bretanha da UE. Em 2019, foram naturalizados 14.600 britânicos e britânicas, mais que nos dois anos anteriores juntos.

Imigração de mão de obra especializada de terceiros países

Os imigrantes dão uma contribuição significativa para o desenvolvimento social e econômico na Alemanha. A crescente demanda de mão de obra especializada atrai cada vez mais imigrantes bem qualificados ao país. O governo federal Governo federal O chanceler federal e os ministros compõem o governo federal ou gabinete. O chanceler baseia-se na prerrogativa de estabelecer as diretrizes da política do governo. Paralelamente, os ministros dirigem, no âmbito dessas diretrizes, a respectiva área de trabalho de maneira autônoma e sob… Mais informações › quer possibilitar mais imigração Imigração A Alemanha já era, no século XIX, um país-alvo para um grande número de migrantes e tornou-se, desde a segunda metade do século XX, o país da Europa com o maior número de imigrantes. Em 1950, a porcentagem de estrangeiros no total da população da República Federal da Alemanha era de um por cento,… Mais informações › para solucionar a falta de mão de obra especializada, que é resultado da transformação demográfica.

Completando uma mobilização mais forte do potencial de pessoas ativas existentes no país e a imigração vinda de países da UE, o governo federal vê também um caminho na imigração de especialistas de terceiros países, a fim de compensar o desenvolvimento demográfico e de dar uma contribuição para assegurar a mão de obra especializada.