Skip to main content
Ensino & Conhecimento

Pesquisa extrauniversitária

Grandes organizações com renome internacional caracterizam o cenário da pesquisa alemã. Elas estão bem conectadas em rede em todo o mundo.
Außeruniversitäre Forschung
© Gorodenkoff/stock.adobe.com

Na Alemanha, trabalham cerca de mil instituições de pesquisa subsidiadas pelo Estado. O esteio do polo de pesquisa é formado por escolas superiores e principalmente pelas quatro grandes instituições de pesquisa extrauniversitária. A Sociedade Max Planck (MPG), fundada em 1948, é o mais importante centro de pesquisa de base nas áreas das ciências naturais, biológicas, humanas e sociais fora das universidades. Cerca de 15.000 pesquisadores, sendo 54 % cientistas estrangeiros de ambos os sexos, que trabalham em 86 Institutos Max Planck e em instituições de pesquisa, também fora da Alemanha. Os Institutos Max Planck participam de mais de 3.000 projetos com mais de 5.500 parceiros internacionais em mais de 110 países. Desde a fundação da MPG, seus pesquisadores já receberam 18 Prêmios Nobel. Somente desde 1979, ela acompanhou cerca de 4.500 invenções no caminho para lançamento no mercado; ela apresenta cerca de 60 pedidos de patentes anualmente.

As atividades de pesquisa de ponta da Comunidade Helmholtz abrangem seis áreas: energia, Terra e meio ambiente, saúde, tecnologias-chave e ciências dos materiais, bem como navegação aérea e espacial e transporte. Os pesquisadores e pesquisadoras de seus institutos se concentram em sistemas de alta complexidade. A Comunidade Helmholtz é a maior organização de pesquisa da Alemanha, com cerca de 42.000 colaboradores em 19 centros Helmholtz independentes, entre eles o Centro Aeroespacial Alemão (DLR) com mais de 50 institutos.

A Sociedade Fraunhofer, com seus 74 institutos e instalações de pesquisa localizados em toda a Alemanha, é tida como a maior instituição de pesquisa aplicada na Europa. Dos seus principais campos de pesquisa fazem parte, por exemplo, saúde e meio ambiente, mobilidade e transporte, bem como energia e matérias-primas. Com subsidiárias, escritórios e representantes em dez países europeus, dois na América do Norte e do Sul respectivamente, seis em países asiáticos, bem como na África do Sul e em Israel, suas atividades são globais.

Do grupo da Sociedade Leibniz fazem parte 96 institutos autônomos de pesquisa cujas áreas de trabalho abrangem as ciências naturais, sociais e econômicas, as geociências, a engenharia e o meio ambiente, bem como as ciências humanas. Um enfoque transversal dos 10.000 pesquisadores é a transferência do conhecimento para as áreas da política, da economia e da comunidade.

A Sociedade Alemã de Amparo à Pesquisa (DFG) é responsável pelo fomento da ciência e da pesquisa. É a maior organização desse tipo na Europa. A DFG tem, além da sede em Bonn, escritórios na China, Japão, Índia, Rússia, bem como na América do Norte e América Latina e fomenta a cooperação entre pesquisadores da Alemanha e seus pares no exterior, especialmente mas não só no Espaço Europeu de Pesquisa.