Skip to main content

Idioma atraente

O alemão é a língua materna mais falada na UE. Em muitos países, o interesse em aprender alemão está crescendo rapidamente.
Jahr der deutschen Sprache in Russland
© picture alliance/dpa

O alemão é um de cerca de 15 idiomas germânicos, um ramo da família linguística indo-europeia. Quase 130 milhões de pessoas na Alemanha, Áustria, Suíça, Luxemburgo, Bélgica, Liechtenstein e Alto Ádige (Itália) falam alemão como língua materna ou como segunda língua regularmente utilizada. É assim a língua materna mais falada na União Europeia e ocupa a 11ª posição entre as línguas mais faladas no mundo. O estudo “Alemão como língua estrangeira no mundo”, publicado em 2020, fala de 15,5 milhões de pessoas que aprendem alemão como língua estrangeira atualmente.

Uma razão para a importância desproporcional do alemão em relação ao número de falantes é a forte economia, o que torna a língua muito atraente. Ela forma a base de uma política ativa de divulgação do idioma, que apoia instituições de ensino do idioma na Alemanha e no exterior, fornece bolsas de estudo ou oferece cursos para estudantes com mobilidade internacional. Isto mostra o interesse claramente crescente pelo alemão, em especial na Ásia e sobretudo na China.

A demanda também está crescendo fortemente na África – lá houve um aumento de quase 50% no número de alunas e alunos de alemão, desde o estudo anterior em 2015. Ao mesmo tempo, há uma escassez de professoras e professores de alemão em muitos lugares. O Ministério das Relações Externas está, portanto, fortalecendo suas qualificações através de programas específicos, dirigidos por organizações intermediárias, como a “Dhoch3” do Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico (DAAD) ou o “Aprender a Ensinar Alemão” do Instituto Goethe.

Aumento do interesse em oportunidades de aprendizagem digital

Instituições importantes para o aprendizado do alemão são as 140 escolas alemãs no exterior e as quase 2.000 escolas com ensino intensificado alemão, que estão incluídas na iniciativa de escolas parceiras do Ministério das Relações Externas: “Escolas: Parceria para o Futuro” (PASCH). De acordo com a última pesquisa, cerca de 309.000 pessoas estão participando dos cursos de idioma no Instituto Goethe, que oferece o alemão como língua estrangeira e exames de proficiência da língua alemã em mais de 90 países – cerca de 73.000 mais que há cinco anos. Os responsáveis pelo estudo atribuem o aumento à importância crescente do conhecimento de idiomas para os profissionais qualificados. Um aumento adicional é de se esperar em virtude da Lei da Imigração de Especialistas, que entrou em vigor em 2020 e facilita a imigração de pessoas qualificadas de países não pertencentes à UE.

A demanda por serviços digitais de aprendizagem da língua também aumentou. A pandemia do coronavírus intensificou ainda mais este desenvolvimento. A plataforma de aprendizagem do Instituto Goethe, por exemplo, registrou cerca de 1,2 milhão de acessos em maio de 2020. No mesmo mês do ano anterior, houve apenas 326.000 acessos. O aproveitamento dos cursos on-line da Deutsche Welle dobrou no mesmo período, para 4,2 milhões de acessos.

O alemão na ciência

A relevância da língua alemã como língua científica internacional tende a diminuir. Nas ciências naturais, os bancos de dados bibliográficos mostram a cota de publicação global do alemão como um por cento. Nas ciências humanas e sociais, o alemão tem um significado maior e mais tradicional como língua científica. Entretanto, os acadêmicos que não têm o alemão como língua materna só publicam agora em alemão em casos excepcionais. Em contraste, os pesquisadores de língua materna alemã publicam intensivamente em inglês, especialmente nas ciências naturais.

A globalização está pressionando todos os idiomas internacionais, e o inglês como idioma mundial está sendo claramente fortalecido. No entanto, o alemão continuará sendo um idioma internacional importante.