Skip to main content

Saborear com descontração

A cozinha alemã e os vinhos alemães estão entre os melhores que a Europa tem a oferecer. Está na moda saborear alimentos regionais e saudáveis.
Weinstöcke an der Mosel
© dpa

Desde o início do milênio, o vinho alemão vem experimentando um renascimento internacional, que está intimamente ligado ao “milagre do Riesling” e é em grande parte promovido por uma jovem geração de vinicultores que se concentra acima de tudo na alta qualidade em vez de grandes colheitas. A longa estação de crescimento e o calor comparativamente baixo do verão tornam os vinhos da Alemanha refinados e de baixo teor alcoólico.

Os vinhos alemães Vinhos alemães Os vinhos alemães são provenientes de 13 regiões, onde é produzida em mais de 100 mil hectares uma grande diversidade de vinhos típicos regionais. As regiões de vinicultura estão concentradas – com exceção da Saxônia e Saale-Unstrut no Leste – sobretudo no Sudeste e no Sul do país. São cultivadas… Mais informações › são provenientes de 13 regiões vinícolas, nas quais é produzida uma grande variedade de vinhos regionais típicos em cerca de 103.000 hectares. Numa comparação internacional, a Alemanha, com sua área de produção e cerca de 16.900 vinícolas, pertence antes aos países com produção média; em 2019, foram 8,3 milhões de hectolitros. A participação do vinho orgânico no mercado é de cerca de 9%. As regiões vinícolas da Alemanha estão entre as mais setentrionais do mundo. À parte da Saxônia Saxônia Meissen é uma cidade pequena mas, graças à sua porcelana, provavelmente a cidade mais famosa da Saxônia, ao lado da capital do Estado, Dresden, e da metrópole de feiras Leipzig. O Estado é uma das regiões econômicas mais dinâmicas do Leste da Alemanha, sendo a setor de TI, a relojoaria de precisão… Mais informações › e de Saale-Unstrut, elas estão localizadas principalmente no Sudoeste e no Sul do país. As três maiores regiões vinícolas são Rheinhessen, Pfalz e Baden. Mais de 100 castas são cultivadas, cerca de 20 são de grande importância no mercado, sobretudo os vinhos brancos Riesling e Müller-Thurgau. A Alemanha produz cerca de 66% de vinho branco e 34% de vinho tinto; Spätburgunder e Dornfelder são as castas mais importantes neste caso.

Tradições e novos padrões

A Alemanha é também um país da cerveja. A cerveja alemã é particularmente apreciada por sua fabricação tradicional, em parte secular, em pequenas cervejarias familiares e monastérios. Todas as cervejas alemãs estão sujeitas, sem exceção, à lei da pureza, a mais antiga regulamentação alimentícia do mundo, datada de 1516. Ela estabeleceu que nenhum outro ingrediente além de água, lúpulo e malte pode ser empregado na produção de cerveja. Na Alemanha são produzidos entre 5 e 6 mil tipos de cerveja, a maioria de estilo Pilsener; no entanto, o consumo geral de cerveja está diminuindo. Uma tendência atual são as chamadas “cervejas artesanais” de pequenas cervejarias independentes, que se concentram em sabores incomuns.

Os hábitos alimentares na Alemanha não são de fácil interpretação. Por um lado, muitos consumidores estão desenvolvendo uma sensibilidade crescente para seus próprios corpos e também uma maior consciência da saúde, e estão, portanto, se concentrando em conceitos de nutrição equilibrada. Por outro lado, megatendências como a mobilidade ou a individualização de estilos de vida estão tendo uma clara influência sobre os hábitos alimentares e de consumo de bebidas.

A gastronomia alemã é considerada dinâmica e versátil – e está entre as melhores da Europa. Além da gastronomia de ponta, do estilo crossover e de uma cozinha cada vez mais vegetariana e vegana, os legumes antigos, como a pastinaca, a rutabaga e o tupinambo, estão tendo um renascimento. Eles são os pilares da atual tendência por alimentos saudáveis, sazonais, regionais e de sabor caseiro. Estes clássicos são sendo interpretados por um setor culinário jovem e enriquecido com influências globais. No entanto, a pandemia do coronavírus está tendo um forte impacto econômico sobre o setor gastronômico. Apesar das amplas ajudas estatais, a crise ameaça muitas empresas na sua subsistência.